www.amigosdatradicao.com.br
 


 
 
Busca
 
 
Menu
  Página Inicial
Vocabulário
  Oração do Gaúcho
  Adágios Gaúchos
  Anedotas de Gaúcho
  Dicionário Gaúcho
  Ditados Gaúchos
  Expressões Gaudérias
Costumes
  Churrasco
  Culinária
  Chimarrão
Cavalos
  Origem do Cavalo
  Nomenclatura
  Pelagem
  Fotos
Cultura
  As Lendas Gaúchas
  Os Mitos Gaúchos
  Danças Tradicionalistas
  Indumentária Gaúcha
  Tradicionalismo
História
  Cronologia Histórica
  Estrutura de um CTG
  Gaúcho e sua Origem
  Princípios Gaúchos
  Comportamento
  Ética Tradicionalista
  O Tropeirismo
  Formação da Estância
  Guerra dos Farrapos
Poesias
Músicas
  Cifras
  Letras
  Grupos Gaúchos
Galeria de Fotos
 
Participe do Portal
 
 
Receba Notícias por e-mail
 
Nome:
E-mail:

Adicionar Remover

 
Registro da Marca
   
Recado Selecionado
 
Enviado por:  Lucas do Rio Verde MT
Cidade:  Lucas do Rio Verde MT
Enviado em:  08/03/2009 as 16:38:08
Título:  O BUGIO
Mensagem: 
O BUGIO

Como não sou um profissional na arte de escrever, procurarei fazê-lo a meu modo, mas tentando passar ao leitor aquilo a que me propôs e sinto no momento.
Estou usando o título – O Bugio – para não mencionar o nome do dito cujo que passarei a descrevê-lo. Como todos sabem, o bugio é um símio, bem conhecido no Rio Grande, inclusive, sendo cantado em verso e prosa a respeito de seu modo de viver. É um animal que faz muito alarido, mas no fundo não é tão bravo quanto aparenta ser.
No ano de 2.007, foi convidado a vir trabalhar em Lucas do Rio Verde, MT um gaúcho, que conhece as tradições e as lides crioulas. O Sr. bugio – sua semelhança é muito grande com o símio, o que o difere é que lhe cortaram a cauda e lhe ensinaram algumas palavras. Pois bem... quando chegou foi-lhe reservado um local para morar, nas proximidades do córrego Lucas, até então estava próximo de seu habitat, sem muito contato com a sociedade. Passados os dias, alguém viu nesse símio, a necessidade de ajudá-lo, iniciando pelo principal ( roupas, calçados, forro de cama, etc...) para que ele pudesse continuar seu trabalho. O tempo vai passando, o bicho vai gostando da forma como está sendo tratado, gradativamente também ele começa a mostrar suas qualidades e habilidades.
Profissionalmente até que se saiu relativamente bem, só não foi melhor porque, entendendo estar bem no pedaço, começou a mostrar as garras, ou seja: começou a ingerir umas cervejas e não tendo limite, para saber parar, alias o que demonstra suas origens; tomou de assalto um veículo automotor, de propriedade da pessoa que estava tentando sociabilizá-lo. Ao dirigir, sem destino, acabou batendo o carro, na frente e na traseira do veículo; no dia seguinte ao ser inquirido o porque de seu ato, não deu nenhuma justificativa; passo seguinte escondeu onde havia deixado o veículo. Ao agir dessa forma já apresentou sua segunda qualidade , a mentira. Tenho em meu conceito de vida que quem mente rouba. Mas tudo bem, mesmo assim continuou sua caminhada, ao lado de pessoas que, pela bondade, acreditando que ele poderia melhorar, entenderam que o ocorrido poderia ter sido um momento de fraqueza. Concertado o veículo, foi uma dificuldade para o prestador de serviço receber, pelo serviço prestado, tendo o mesmo que recorrer a um advogado para receber o que lhe era de direito. A vida continua, o sr. Bugio tropeça aqui, tropeça ali, mas cada vez mais denotando ser uma pessoa sem princípios familiares, profissionais e sociais.
Acredito que esta surgindo em seu pensamento uma pergunta; e não fizeram nada com o seu bugio? Caro leitor, quando há o envolvimento dos filhos, pois o tal símio caiu nas graças de minha filha, a tomada de decisões de nós pais, é um pouco mais difícil. Os pais que estiverem lendo esse desabafo hão de entender. “ Nós não mandamos na vontade e desejo de nossos rebentos.” Nesse ínterim, atendendo a apelos da filha, na tentativa de melhorar a vida em família e mostrar como agir, em uma oportunidade autorizei o sr. bugio a usar meu nome na compra de certo material. Me ferrei, pois o maldito não pagou, dentro do prazo estabelecido, e fui pra Cartório, Serasa e o escambau, coisa que eu nunca tinha chegado lá. É muito normal o seu bugio comprar e depois esquecer de pagar, se bem que ele usa do nome dos outros, sem assinar nada, se cobrado, ele alega que não deve nada. Como se diz na gíria “ O bicho é liso “.
Passam-se os dias, uma festinha aqui, outra ali ,e o tal bicho bugio enxugando muitas cervejas, e com um agravante, fazendo com que seus alunos fossem buscar a bebida para ele. Cá comigo... onde está o bom principio de que não pode haver o envolvimento de menores nessa situação. Senhores... isso é somente a ponta do iceberg, pois outras tantas coisas aconteceram e dentre as mais graves, nessa convivência com minha filha nasceu uma menina, por sinal muito linda e saudável. Se lhes contar que durante o período de gestação, o tal símio agredia minha filha, com palavras obscenas e com pressão psicológica ( não me foi dito nada, mas não sei se em algum momento ele até não a agrediu fisicamente ) vocês ficarão, com certeza estarrecidos. É amigos, a gente passa por cada uma... No Rio Grande tem um ditado que diz: “ Quem tem rebanho ( família ) não está livre de sarna “. Bom seria se nós tivéssemos tão somente a sarna. Entendo que o leitor ainda está curioso por saber porque não se tomou nenhuma atitude, mais dura com esse animal. Respondo: Aqui, no Mato Grosso, existem leis ( humanas ) que preservam a fauna, pois se o IBANA sabe que agredimos o bugio, podemos ser processados. No nosso caso, nossa religião Católica, nos aconselha entregar nas mãos do Senhor. Podem crer assim o fizemos e o encanto acabou, pois o Bugio desocupou o pau do ceio de minha família. Tenho certeza, graças a Deus, de que irá roncar em outras paragens, inclusive fora de nossa cidade e de nossa sociedade, que é composta de gente séria, ordeira, e compromissada com a família. Necessitamos, sim , de orientadores para nossos jovens, mas de pessoas sérias, honestas e competentes.


Lucas do Rio Verde,MT, 06 de março de 2.009
 
Portal Amigos da Tradição - 2004 | 2017 - WebMaster: Jonatan S. da Costa