www.amigosdatradicao.com.br
 


 
 
Busca
 
 
Menu
  P├ígina Inicial
Vocabulário
  Ora├ž├úo do Ga├║cho
  Ad├ígios Ga├║chos
  Anedotas de Ga├║cho
  Dicion├írio Ga├║cho
  Ditados Ga├║chos
  Express├Áes Gaud├ęrias
Costumes
  Churrasco
  Culin├íria
  Chimarr├úo
Cavalos
  Origem do Cavalo
  Nomenclatura
  Pelagem
  Fotos
Cultura
  As Lendas Ga├║chas
  Os Mitos Ga├║chos
  Dan├žas Tradicionalistas
  Indument├íria Ga├║cha
  Tradicionalismo
Hist├│ria
  Cronologia Hist├│rica
  Estrutura de um CTG
  Ga├║cho e sua Origem
  Princ├şpios Ga├║chos
  Comportamento
  ├ëtica Tradicionalista
  O Tropeirismo
  Forma├ž├úo da Est├óncia
  Guerra dos Farrapos
Poesias
M├║sicas
  Cifras
  Letras
Galeria de Fotos
 
Anedota: Verdade
 
Em plena ├ępoca de ca├ža ao marrec├úo, numa noite fria, um grupo de ca├žadores abrigado no galp├úo, ao redor dum fogo acolhedor, contava causos de ca├žadas.
Compadre Alcino estava com a palavra:
- ...Hoje o bicharedo anda escasso.
Nos meus tempos o marrecão vinha da Patagônia em bandos de tapar o sol.
Uma madrugada, estava eu na espera, quando sobre mim cruzou a maior quantidade de passar├┤es que jamais eu tinha visto.
Nervoso, peguei a minha Reminton automática e, sem mirar, despejei os 5 tiros no meio do bando.
Foi aquela chuvarada de marrecão.
Voava pena pra tudo quanto ├ę lado.
Contei os bichinhos, minha gente.
E pasmem: a meus p├ęs estavam 99 marrec├Áes!
- Compadre, por que não diz logo 100?
- Perguntou um dos ca├žadores.
Alcino passou a mão pela farta bigodeira e respondeu:
- E tu achas que por causa do filho da puta de um marrecão eu vou passar por mentiroso?

 
Portal Amigos da TradišŃo - 2004 | 2022 - WebMaster: Jonatan S. da Costa