www.amigosdatradicao.com.br
 


 
 
Busca
 
 
Menu
  P√°gina Inicial
Vocabul√°rio
  Ora√ß√£o do Ga√ļcho
  Ad√°gios Ga√ļchos
  Anedotas de Ga√ļcho
  Dicion√°rio Ga√ļcho
  Ditados Ga√ļchos
  Express√Ķes Gaud√©rias
Costumes
  Churrasco
  Culin√°ria
  Chimarr√£o
Cavalos
  Origem do Cavalo
  Nomenclatura
  Pelagem
  Fotos
Cultura
  As Lendas Ga√ļchas
  Os Mitos Ga√ļchos
  Dan√ßas Tradicionalistas
  Indument√°ria Ga√ļcha
  Tradicionalismo
História
  Cronologia Hist√≥rica
  Estrutura de um CTG
  Ga√ļcho e sua Origem
  Princ√≠pios Ga√ļchos
  Comportamento
  √Čtica Tradicionalista
  O Tropeirismo
  Forma√ß√£o da Est√Ęncia
  Guerra dos Farrapos
Poesias
M√ļsicas
  Cifras
  Letras
Galeria de Fotos
 
Anedota: Estupro
 
Acusado de estupro, lá estava o réu, submetendo-se a julgamento.
Entra a testemunha, um sujeito falador, sem meias nem peias, explícito demais para o caso delicado.
O juiz recomendou:
- Por favor, senhor Policarpo, n√£o v√° me fazer passar vergonha e dar nomes aos bois.
Vamos fazer o seguinte:
O senhor procure se expressar atrav√©s de sin√īnimos e met√°foras, certo?
- Certo. Concordou o homem.
- Ent√£o vamos ao depoimento da testemunha.
Sr. Policarpo do Aramado Carpim da Silva, o que o senhor presenciou exatamente na noite do ocorrido?
- Pois olhe, senhor Juiz, eu vi com esses olhos que a Terra há de comer, o réu esse aí agarrar a moça aquela lá e derrubar a dita no pasto.
Pelou um sin√īnimo deste tamanho e meteu na pobre met√°fora da mocinha...

 
Portal Amigos da TradiÁ„o - 2004 | 2022 - WebMaster: Jonatan S. da Costa